(51) 991.612.101

Dermatocálase e a blefaroplastia como correção do problema

Não existem casos associando a dermatocálase à cegueira. Mas nos casos em que a flacidez da pele é muito acentuada, o paciente pode ter a visão periférica prejudicada e uma diminuição do campo visual.
É por isso que muitas pessoas recebem a indicação para uma blefaroplastia para solucionar o problema.

A dermatocálase é um problema bastante comum à medida que as pessoas envelhecem. Ela pode não só causar transtornos estéticos como também afetar a visão. É por isso que muitos pacientes realizam uma blefaroplastia para solucionar o quadro.

Entenda mais sobre o tema e descubra todas as opções envolvendo dermatocálase e blefaroplastia no artigo a seguir.

O que é a dermatocálase?

A dermatocálase é o termo médico utilizado para se referir ao excesso de pele e flacidez do músculo das pálpebras. O quadro frequentemente envolve as pálpebras superiores, mas também pode ocorrer na área inferior em certos casos.
As principais causas deste excesso de pele são:

Baixa produção de colágeno,
Redução da elasticidade da pele,
Tecido conjuntivo fraco,
Doenças congênitas,
Problemas relacionados à tireoide,
Tabagismo,
Questões hereditárias.

O quadro é bastante comum em pessoas idosas, mas também pode ser observado ocasionalmente em adultos jovens.

Do ponto de vista estético, os pacientes costumam se queixar da aparência cansada e do peso das pálpebras superiores. Bolsas nas pálpebras inferiores, além de rugas nessa região e no canthus lateral também costumam ser citadas nas consultas.

A dermatocálase também pode ser um problema funcional, já que esta dobra de pele obstrui o campo visual superior. Além disso, alguns pacientes sofrem com:

Irritação ocular,
Entropia da pálpebra superior,
Ectropia da pálpebra inferior,
Blefarite,
Dermatite.

Não existem casos associando a dermatocálase à cegueira. Mas nos casos em que a flacidez da pele é muito acentuada, o paciente pode ter a visão periférica prejudicada e uma diminuição do campo visual.
É por isso que muitas pessoas recebem a indicação para uma blefaroplastia para solucionar o problema.

Como a blefaroplastia corrige a dermatocálase?

Como mencionamos anteriormente, o excesso de pele da pálpebra pode ser removido por um procedimento chamado blefaroplastia.

A blefaroplastia da pálpebra superior ajuda a melhorar a visão periférica e também confere ao paciente uma aparência mais jovem e vivaz.

Ocasionalmente, alguns profissionais podem sugerir tratamentos médicos auxiliares, como:

Pacientes com dermatocálase em decorrência de uma blefarite podem se beneficiar da higiene da região e com a prescrição de antibióticos tópicos;
Pacientes com dermatocálase que apresentem dermatite podem obter bons resultados com a aplicação de pomada tópica de esteroides;
Pacientes com dermatocálase que sofram com olhos secos devem fazer tratamento com o lubrificante tópico apropriado.

Além disso, é possível fazer tratamentos voltados para a estimulação da produção de colágeno na região. Essas medidas podem ser usadas pré-operativamente, para avaliar o paciente antes da realização da cirurgia.

Caso a indicação seja para a blefaroplastia, o paciente deve realizar previamente os seguintes exames oftalmológicos:

Medida da acuidade visual,
Aferição da pressão ocular,
Fundo de olho,
Avaliação de olho seco,
Avaliação de risco cirúrgico.

O que é a blefaroplastia?

A blefaroplastia da pálpebra superior é a cirurgia para corrigir o excesso de pele da pálpebra e refixar a dobra da pálpebra.

O cirurgião responsável realiza a remoção do excesso de pele e faz a sutura – os pontos costumam ser removidos uma semana depois. Em alguns casos, a gordura extra localizada na região da pálpebra também é removida.
O procedimento tem duração média de 90 minutos e costuma ser realizado em ambiente ambulatorial, com anestesia local e sedação.

Mesmo sendo uma cirurgia de menor porte, a blefaroplastia apresenta alguns riscos e potenciais complicações, como:

Sangramento excessivo sob a pele, com o risco de formação de coágulos,
Infecção,
Ectrópio (reversão da pálpebra),
Esclera (parte branca dos olhos) mais aparente,
Olheiras causadas pelas manchas de hematomas persistentes,
Ressecamento ou lacrimejamento excessivo, que se resolve em alguns dias.

O período de cicatrização pode variar de um paciente para outro. Evitar o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas antes e após o procedimento, além de manter uma dieta saudável, auxilia a acelerar este processo.

O que esperar após a blefaroplastia

Após a cirurgia, o paciente experimenta um desconforto mínimo, além de um certo inchaço e manchas arroxeadas na região, que desaparecem em até duas semanas.

Pacientes que passaram por uma blefaroplastia bem-sucedida costumam retomar suas atividades normais entre cinco a sete dias . Porém, é importante evitar a prática de exercícios pesados, piscina ou banhos de mar, exposição direta ao sol e ambientes sujos e empoeirados entre os 15 e 45 primeiros dias.

Os resultados definitivos tornam-se visíveis cerca de 3 meses após a cirurgia. Mas boa parte dos pacientes já consegue perceber aproximadamente 80% dos resultados em algumas semanas.

Sobre o Dr. Garabet
Especialista em Cirurgia Plástica, com 25 anos de experiência na prática cirúrgica. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Member of the International Society of Aesthetic Plastic Surgery.

Website: http://www.garabet.com.br/

Fonte: Dino