(51) 991.612.101

Mercado de Moda Fitness no Brasil: conheça o cenário e as projeções para o futuro

Com a retomada da economia a tendência é que o mercado de moda fitness cresça até 2% em relação aos dois últimos anos, e que passe a ocupar uma parcela maior no PIB – Produto Interno Bruto do nosso país.

O mercado fitness está em plena expansão no país. Diversos empreendedores têm injetado dinheiro neste setor da economia e a demanda da população por produtos que sejam mais saudáveis e também adequados a um estilo de vida com mais qualidade, está ajudando ainda mais o setor.

Todo este movimento já reflete na economia: de 2011 a 2016 o crescimento da participação do mercado fitness no Brasil cresceu impressionantes 22%, o que equivale a 80 milhões de reais ou 1.9% do PIB – Produto Interno Bruto, do nosso país.

Entre as maiores demandas deste mercado está à moda fitness, ou seja, aquelas roupas criadas e projetadas para melhorar o desempenho do atleta e pessoas que treinam diariamente, durante a prática de exercícios físicos.

Uma pesquisa realizada pelo SEBRAE chamada Inteligência Setorial, em 2015 revelou um pouco das preferências dos consumidores deste mercado quando eles procuram consumir produtos de moda fitness. Entre os assuntos mais abordados estavam:

• Conforto;
• Tecnologia;
• Estilo.

Os grandes varejistas esportivos em todo mundo já haviam percebido esta tendência de mercado crescente e por isso investiram pesado em tecidos que podem aliar a tecnologia e o aumento de desempenho, principalmente quando o assunto é corrida e outros esportes aeróbicos.

Mas como as roupas usadas durante o treino podem ser tão impactantes a ponto de melhorar o desempenho técnico? Bom, muitas pessoas já buscaram responder esta questão e alguns já chagaram bem perto. Um belo exemplo são os ingleses e irmãos Steve e Nick Tidball, criadores da marca de roupas Vollebak. Há quatro anos eles fundaram uma empresa que desenvolve tecidos tecnológicos usando a neurociência e a psicologia como as melhores amigas do atleta.

Para quem se pergunta se há público para tanto investimento, tenha em mente que o Brasil, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria do Esporte, ocupa o segundo lugar no ranking global de países com maior número de academia, perdendo somente para os Estados Unidos da América. São mais de 30 mil academias espalhadas pelo Brasil e uma média de 8 milhões de alunos matriculados. Isso se traduz em uma movimentação anual que beira a casa dos 5 milhões de reais.

Desde 2015 o Brasil também passou a receber investimentos em diferentes modalidades, como é o caso do crossfit, que hoje possui, pelo menos, 5 mil academias espalhadas em sua maioria pela região Sudeste do país.
No entanto, quando o assunto é venda de produtos de moda fitness o e-commerce lidera as vendas e é a maneira preferida de comprar este tipo de roupa. Uma pesquisa feita pelo Google mostrou que as compras de roupas fitness pelo comércio eletrônico deverá dobrar sua participação no faturamento do varejo até 2021, crescendo em média 12,4% ao ano. Isso indica que as vendas deverão dobrar em cinco anos, chegando a R$ 85 bilhões.

Entre os empreendedores a ideia de montar um e-commerce de moda fitness também tem sido bem aceita. Entre as principais razões estão o futuro promissor do segmento e também o baixo investimento na hora de montar uma loja de comércio eletrônico. “No verão há sempre um pico nas vendas, que é uma ótima oportunidade também para quem deseja ter uma renda extra revendendo roupas de treino”, afirma Caroline, gerente comercial da Loja Marombada, um E-commerce de roupas fitness que tem como produto mais vendido a regata cavada , e atende tanto no varejo quanto no atacado para lojistas, vendedores autônomos e até pessoas que trabalham mas ganham uma renda extra revendendo as roupas.

Os e-commerces no estilo marketplace também estão se destacando no mercado e funcionam da seguinte maneira: você usa um espaço, como se fosse uma vitrine, de grandes lojas de comércio online (a mais conhecida hoje em dia no seguimento dos esportes é a Netshoes) e começa a vender seus produtos no próprio site da marca. A cada compra feita você deve pagar uma porcentagem, que gira em torno de 20% do total da venda para a empresa dona do e-commerce. Em alguns casos este pode ser um ótimo negócio.

A ideia de criar uma marca e associar produtos como suplementos e também roupas de academia tem sido bastante praticada no Brasil, e funciona como uma maneira de diversificar o negócio, mas sem perder o foco no segmento fitness já garantido com o seu público-alvo. Os grandes influenciadores digitais do mundo fitness também ajudam a manter o mercado sempre aquecido, e também fazem trabalhos pagos com as marcas de vestuário fitness em troca de visibilidade.

Vale a pena ressaltar também que o mercado fitness não é somente sobre vestuário e sim sobre os demais itens, como os calçados – peça fundamental na hora de fazer exercício. Apesar de este mercado ser dominado pelas grandes marcas, existe também a demanda por itens que tenham preço mais em conta.

Pensando para as tendências para o mercado de moda fitness em 2018, a Idea é que com a retomada da economia este mercado cresça até 2% em relação aos dois últimos anos e que passe a ocupar uma parcela maior no PIB – Produto Interno Bruto do nosso país.

Website: https://www.lojamarombada.com.br

Fonte: Dino