(51) 991.612.101

Dentista fala sobre a procura dos aparelhos invisíveis e as diferenças dos modelos

A Dra. Bruna Mesquita explica que há diversos pontos que distinguem os invisíveis dos transparentes

O aparelho transparente, assim como o invisível, são excelentes opções para quem precisa fazer correções no sorriso.

Ou seja, esse tratamento é para quem não quer se submeter a algo mais radical, como as lentes de contato.

Além de proporcionarem ótimos resultados, esses tipos de aparelhos ortodônticos são esteticamente agradáveis e, muitas vezes, seu uso passa despercebido.

Por isso, eles são cada vez mais procurados nos consultórios odontológicos.

Porém, ao contrário do que muitos pensam, o invisível e o transparente são dois modelos diferentes.

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE OS APARELHOS ORTODÔNTICOS ESTÉTICOS?

O aparelho “invisible” é uma estrutura removível, promovendo a retificação dentária por meio do uso de um conjunto de alinhadores transparentes.

Eles são confeccionados em acetato e moldados de acordo com a arcada dentária do paciente.

Por ser personalizado, se encaixa perfeitamente na boca, tornando-se e imperceptível.

Ele também não possui bráquetes, fios ou bandas, o que faz com que seja extremamente confortável, pois não machuca a boca e nem atrapalha a fala do paciente.

Além disso, ainda é muito higiênico, já que deve ser removido na hora da alimentação e da higienização bucal.

“O invisível possibilita o alinhamento dos dentes por meio da troca sequencial dos alinhadores, que deve ser feita a cada 15 dias. Cada alinhador tem uma diferença na posição dos dentes em relação ao anterior e é justamente esse detalhe que promove a movimentação dentária”, explica a Dra. Bruna Mesquita.

Segundo a dentista, esse aparelho permite que o profissional tenha mais previsibilidade do resultado final do tratamento, pois todo o planejamento é feito por meio de um software específico, o qual simula cada etapa da movimentação dos dentes.

Já o aparelho transparente é um modelo de aparelho fixo muito parecido com o metálico.

Contudo, seus bráquetes são confeccionados em porcelana monocristalina.

“Apesar de ser um modelo fixo, ele é bem mais discreto do que o convencional, pois os bráquetes parecem ser de vidro e se misturam facilmente à cor dos dentes”, ressalta Bruna.

Sendo assim, as pessoas só percebem que você está usando se chegarem bem perto.

“Esse aparelho é muito resistente e dificilmente os bráquetes se soltam ou se quebram. Além disso, eles não sofrem alteração de cor, ou seja, permanecem transparentes durante todo o tratamento”, explica.

O que muda nesse modelo são as tonalidades das “borrachinhas”, que por serem brancas, mancham com o consumo de alimentos ricos em corantes.

“Mas já estão disponíveis no mercado ligaduras com tecnologias que evitam esse tipo de contratempo”, diz a dentista.

E finaliza: “Outra vantagem desse modelo é que existe a opção de um aparelho transparente autoligado, o que diminui bastante o tempo do tratamento”.

Website: https://www.facebook.com/pauloantonioloebrunamesquita

Fonte: Dino