(51) 991.612.101

Bruxismo pode causar dor facial e cefaleia

A cirurgiã-dentista Isrraela Massena explica como é possível controlar o problema

Lidar com o bruxismo, na prática, é mais complicado do que parece. Por causa dele, o sono não é mais o mesmo e, além disso, sintomas como dores de cabeça e desgaste nos dentes já viraram velhos conhecidos. Se você acaba de acordar e sente um grande incômodo na região da mandíbula. Logo pensa que deve ter dormido de mau jeito, mas se isso acontece inúmeras vezes pode ser um caso de bruxismo. Mas será que vai ser assim para sempre? A cirurgiã-dentista Isrraela Massena explica como é possível controlar o problema.

O bruxismo é uma atividade parafuncional que inclui ranger, apertar ou esfregar os dentes entre si, podendo acontecer durante o dia ou à noite. Frequentemente, o problema é associado ao estresse, fatores psicológicos, nutricionais e hereditários.

Segundo a especialista, é comum que pacientes com bruxismo sintam dores articulares ou nos músculos orofaciais. Este problema pode levar a diversas patologias nos ligamentos da região, sem falar que os incômodos acabam atingindo áreas adjacentes da boca. Isso acontece de modo bem superficial pela sobrecarga aos grupos musculares e à articulação temporomandibular.

“É muito frequente encontrarmos pessoas que, além dessas dores, possuem um tipo de dor de cabeça, especialmente no músculo temporal. Essa condição, infelizmente, não tem cura, mas tem tratamento. A ideia é minimizar ao máximo os impactos que ela possa causar, como fraturas, doenças periodontais, sensibilidade dentária, mobilidade dos dentes e até mesmo problemas na articulação temporomandibular”, explica Isrraela.
No bruxismo diurno, a Dra. Isrraela Massena ressalta que é possível ter controle sobre a parafunção, de maneira consciente.

“A maioria dos pacientes pensa que o normal é ter os dentes em contato durante a maior parte do dia, mas não é”, alerta.

A posição maxilo-mandibular mais confortável é quando os dentes da parte de cima e de baixo ficam levemente separados.

Se o assunto é o bruxismo noturno, uma maneira de amenizar o problema é ter um sono de qualidade. Os pacientes devem respeitar a hora certa para dormir e acordar, buscando um melhor descanso físico e mental.
“Existem diversos tratamentos, mas sempre de acordo com o tipo e intensidade do bruxismo. Assim, dependendo do caso, o controle da doença pode acontecer através do uso de placas, botox (toxina butolínica), remédios e até mesmo terapia para o controle do stress e da ansiedade”, ressalta.

Na população mundial, cerca de 30% das pessoas têm essa condição, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, dados oficiais apontam que o problema atinge 40% da população.

Fonte: Dino